Soneto de separação

Vinícius de Moraes

 
De repente, do riso fez-se o pranto,
silencioso e branco como a bruma
e das bocas unidas fez-se a espuma
e das mãos espalmadas fez-se o espanto.
De repente, da calma fez-se o vento,
que dos olhos desfez a última chama
e da paixão fez-se o pressentimento
e do momento imóvel fez-se o drama.
De repente, não mais que de repente,
fez-se de triste o que se fez amante
e de sozinho o que se fez contente.
Fez-se do amigo próximo o distante,
fez-se da vida uma aventura errante.
De repente, não mais que de repente.

Envie esta página, Clicando aqui!

Voltar para Sonetos à beira-mar:

Voltar para o Porto:

Voltar para o Porto dos Sonhos e das Poesias

Copyright © Sarah Rodrigues - 2004 - Belém - Pará - Brasil

Todos os direitos reservados / All Rights Reserved.

ao site Porto dos Sonhos e das Poesias.

e sua autora: Sarah Rodrigues

Webmaster e Designer: Lisiê Silva.